Se o tempo não termina, por que o sorriso haveria de?

Ontem, vi o tempo, esse menino, correr na chuva, descalço:

uma ampulheta de plástico quebrada sem querer;
um macaquinho brincante.

Como se o mundo dissesse que a alegria continua sendo a prova dos nove.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: