Fatalismos

Existem poucas maneiras de as tenras partes de um corpo humano sobreviverem ao esmagamento causado por um piano cadente.

Mas há algumas…

Uma delas é a de se desenharem asas ao piano em plena queda.
Pianos alados.

Umas das formas mais comuns de se fazer um piano voar é a de devolver a ele – por sobre a sua carranca de pesado objeto – a sua verdadeira condição de fenômeno, processo.

São finos os dedos que expõem os pianos às suas entranhas. Um dedo leve mas treinado é capaz de acionar o mecanismo de tendões, alavancas e musicalidade. Com alguns toques minimamente coordenados, o paquiderme, o baú, pior ou melhor envernizado, passa à situação de instrumento.

Todo instrumento tem um sujeito que o sujeita. Um piano em queda não é uma força aberrante e desgovernada. Tem seus propósitos, não mera gravidade – seja a desatenção ou a malícia de quem o lançou. Nesses termos, o piano não cai, o piano pousa.

Xô, piano!

Anúncios

Uma resposta to “Fatalismos”

  1. Taísa Says:

    =)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: