Diálogo ao pesto

mãe Brecht Zorate
permaneceram muito tempo em silêncio
juntos e separados; atados, hiatados.

veio o pequeno almoço.
veio o café da tarde.
e o silêncio era uma nata.

até que, numa imprecisa hora,
ela foi até a cozinha e mastigou
o viço de uma folha de manjericão.

suficiente.

o hálito se insinuou,
travestido de palavra,
e ele, enfim,
voltou a reparar nela.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: